Nova edição do BMU homenageia cultura indígena brasileira

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail
Última atualização: 21 de abril de 2017 - 17:36:35

Por: Roadie Metal Assessoria

Dia 22/04 (sábado), a cidade de São Paulo terá um evento grandioso e com uma proposta honesta em divulgar um dos maiores levantes que o metal nacional já teve em sua história!

O ”Levante do Metal Nativo”, organizada pela BMU que, após anos inativa, ressurge com força e vem caminhando a passos largos para assumir o lugar de principal produtora de eventos no país, anuncia de forma oficial o evento “A Estrada para o BMU”.

Nessa edição, a organização reuniu quatro grandes nomes do cenário nacional que fundem em sua musicalidade elementos tradicionais da cultura indígena brasileira, seja nas letras, vestimentas, percussão ou ritmos incluídos nas harmonias criadas pelos músicos em suas respectivas bandas.

As bandas envolvidas nesse evento são todas representantes da organização “Levante do metal Nativo”, que tem como proposta, levar a cultura raiz brasileira, ou seja, temas que difundem Metal Extremo e os primórdios da historia brasileira.

Como atração principal, a banda Voodoopriest e seu Death/Thrash cheio de técnicas é a garantia de muito peso e desgraceira aos bangers que comparecerem ao evento. Além da Voodoopriest, o evento também conta com as apresentações das bandas Arandua Arakuaa, cujo líder Zândhio Aquino vem destacando-se como um dos principais músicos a expor conceitos indígenas nas sua proposta musical, os veteranos do Armahda, com toda sua velocidade e vocais urrados e, por último, o Tamuya ThrashTibre, que serão os incumbidos a desde o início deixar o público batendo cabeça.

A realização do evento será feita no “Gillan’s Inn”, localizado na AV: Luis Dumont Villares, Nº 628, na cidade de São paulo, abertura dos portões as 20:00, entrada por R$50,00 e o mezanino por R$60,00.

Mais informações no link do evento:

https://www.facebook.com/events/987560251379333/

 

Confira “Immortal King” do Tamuya Thrash Tribe:

 “Canudos”, do Armahda:


“Hêwaka Waktû”, Arandu Arakuaa:

“Mandu”, Voodoopriest: