Você está aqui
Home > Resenhas > Álbuns > Red Foot: Sem a perder essência, “Borderline” é um álbum maduro e profissional

Red Foot: Sem a perder essência, “Borderline” é um álbum maduro e profissional

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail
Última atualização: 17 de julho de 2018

Texto por: Anna Barbara Tuttoilmondo

Na estrada desde 2011, a Red Foot formou-se na boemia curitibana misturando o feeling das canções de lamento dos negros nas plantações de algodão do delta Mississippiano com o peso e a psicodelia das bandas de Detroit nas décadas de 60 e 70. Após 5 anos desde o lançamento do primeiro álbum “The Road“, de 2013, o quinteto formado por Gabriel “Pexera” (Vocal/Guitarra), Thiago Guerra (Guitarra), Augusto Freitas (Harmônica), Guilherme Harder (Bateria) e Henrique Dinar (Baixo) acaba de lançar “Borderline“, um novo passo em sua carreira, mantendo o profissionalismo e mostrando um amadurecimento musical.

Contando com 6 músicas, o novo trabalho do grupo foi apresentado no Antonina Blues Festival, festival que reuniu mais de 30 artistas de blues e rock na histórica cidade do litoral do Paraná. Diferente em vários aspectos do seu antecessor, “Borderline” tem letras mais maduras, explorando temas como depressão, solidão e relacionamentos; em suma, temos aqui um Red Foot mais evoluído, mas sem deixar suas raízes clássicas de lado.

O álbum abre com “The Train“, uma música animada, onde a harmônica de Augusto Freitas rouba os holofotes, dando o tom Mississippiano que não poderia faltar. “My Baby” mantém o tom animado do trabalho, com uma boa construção musical e um som agradável aos apreciadores do estilo.

Já “Honey Don’t” é aquele típico blues rock melodioso, cujo feeling transparece em cada dedilhado das guitarras de Gabriel Pexeira e Thiago Guerra, dois monstros, aliás. Com belíssimos solos de guitarra, é uma bela balada que bebe da sagrada fonte do blues.

Another Place” tem peso e é a mais “suja” do álbum. Arrisco dizer que, por uma brevíssima fração de segundo, lembrou-me o Black Sabbath. Talvez seja exagero da minha parte, mas o fato do baterista Guilherme Harder ter feito parte de um tributo curitibano ao Sabbath com certeza contribuiu nessa percepção. O peso é mantido em “Man Of Sorrow” e “Mean To Me“, porém aqui novamente temos a presença melodiosa da gaita, dando essa pegada southern nas músicas.

Como o grupo já falou em algumas entrevistas, hoje a banda está bem mais unida, dedicada e focada em fazer algo novo e diferente, sem perder sua essência. E se esse era o objetivo, eles o alcançaram, lançando um álbum bem produzido, com boas músicas dentro do estilo e proposta que os tornaram conhecidos.

Borderline” tem distribuição 100% online e já está disponível para download e streaming nas principais plataformas digitais. Acesse o site da banda e confira: https://www.redfootband.com/

Track list:

  1. The Train
  2. My Baby
  3. Honey Don’t
  4. Another Place
  5. Man Of Sorrow
  6. Mean To Me
Anna Tuttoilmondo
Jornalista formada pela PUCPR e estudante de História - Memória e Imagem na UFPR. Curiosa, apaixonada por música, cerveja e e filmes de terror trash.

Deixe uma resposta

Top