Facebooktwitterpinterestlinkedinmail
(Última atualização: 21 de agosto de 2018)

Antes da sua primeira turnê pelo Brasil, batemos um papo com os russos da banda Grai

Texto: Anna Barbara Tuttoilmondo

Revisão: WIllian Jhonnes

Fotografia: Divulgação

Criado em 2005, o Grai (Грай, no alfabeto cirílico) é dos expoentes do folk metal russo que vem conquistando fãs por suas composições poéticas e uma sonoridade carregada de folclore de seu país natal, sem deixar de lado o peso e a força do metal. Formado por Irina Zybina (vocal), Aliya “Leta” (flauta, vocal), Ilnur Zarev (bateria), Yuri “Sadist” (baixo, vocal e harpa), Vitold Buznaev (guitarra) e Ruzel “Ruzveld” (guitarra), o grupo já passou por diversas formações e nomes até chegar no título atual que, em russo, significa “canto da ave”. Abertamente influenciado por bandas como Skyforger, Korpiklaani, Cruachan e Metsatöll, o grupo conta com uma interessante discografia, sendo “Пепел / Ashes” seu mais recente lançamento.

O grupo, que atualmente encontra-se em turnê pela Europa, prepara-se para sua primeira passagem pela América do Sul, sendo uma das atrações principais do tradicional Odin’s Krieger Fest, que nesta nova edição, “Call of Wyrd”, também contará com a presença do Skiltron, Heidevolk e Moonsorrow.

Aproveitamos para conversar com o guitarrista Ruzel “Ruzveld”, que nos contou um pouco sobre a trajetória da banda e as expectativas para sua vinda ao Brasil. Confira!

1) Para começar, gostaria de saber como a banda começou.

A banda foi formada em 2005. Mudamos muito ao longo da nossa existência – o nome, line-up, a música em si, a visão dos músicos. Por enquanto, temos 4 LPs, 1 EP, vários lançamentos de internet, 3 lançamentos em vinil e muitos shows na Rússia e no exterior.

2) A banda já se chamou “Raven Blood” e “Vorog” (inimigo). Por que vocês mudaram para Grai? Qual o significado deste nome para vocês?

Sim, esses dois nomes foram inventados pelos caras quando eles tiveram seus primeiros shows e eles precisavam de algum título com urgência. Então, depois de algumas considerações, foi encontrado um novo título, “Grai”, que significa “grito de pássaro” e soa mais notável e digno de menção à nossa mente. Essa palavra tem a atmosfera da liberdade, planar e lamentar ao mesmo tempo.

3) Como vocês vieram de uma cidade pequena, quais foram as dificuldades que vocês enfrentaram, sendo uma banda de um estilo tão segmentado?

Houve e ainda há muitos problemas que tivemos que enfrentar. Primeiro de tudo a falta de bons músicos. É por isso que algumas pessoas têm que tocar em várias bandas simultaneamente. O segundo e maior problema é a distância entre as cidades na Rússia. O território é tão grande e as distâncias são tão enormes que é difícil, quase impossível, fazer alguns shows sendo uma banda pouco famosa.

4) Quais são as inspirações e influências do grupo?

De fato, tudo em nossa vida pode influenciar e nos inspirar. Isso pode ser um livro ou história que estamos lendo, um filme que assistimos ou alguma experiência em nossas vidas pessoais. Então, pode ser qualquer coisa que nos rodeia e toca nossas vidas.

5) O último álbum teve duas versões: uma em russo e outra inglês. Por que lançaram esse álbum em inglês? Vocês pensam em relançar seus álbuns anteriores, também, em inglês?

Isso não está certo. As músicas são lançadas apenas em russo (como nas versões anteriores). Mas como o selo de lançamento não é russo e o álbum foi lançado no exterior, o livreto contém as informações em russo e em inglês (como fizemos antes). Falando sobre qualquer plano de escrever músicas e cantar em inglês – definitivamente não.

6) Atualmente o folk metal e suas variantes tem conquistado cada vez mais adeptos. A Rússia, particularmente, é o país que mais tem exportado bandas do gênero. Dito isso, como vocês veem o interesse pela cultura folclórica russa através das bandas de folk?

Nós achamos que o interesse na cultura popular russa está aumentando – graças à esfera da música especificamente. E isso é uma grande tendência. Embora seja sempre importante separar músicas que tenham raízes reais e conceitos de bufonaria.

7) Aproveitando a questão anterior, como vocês veem esse boom de bandas e eventos focados em temáticas folclóricas e, principalmente, com aspecto medieval?

Vemos que essa cena tem se movimentado bastante. Há muitos festivais e eventos – musicais e reencenados. E isso é excelente – investigar a história, as raízes e a atmosfera é sempre incrível, e isso só pode ter um efeito positivo.

8) Visto que vocês disponibilizam todos os seus álbuns nos meios digitais, vocês acham que a popularização das plataformas de streaming contribuiu para essa procura por bandas e eventos do gênero?

Hoje em dia é a época digital, ninguém compra CDs e revistas. É por isso que várias plataformas digitais podem definitivamente ser tratadas como uma das melhores maneiras de promover sua música e mostrá-la ao mundo.

9) Como aconteceu o contato entre vocês e a produção do Odin’s Krieger?

No primeiro dia do ano, o promotor de shows da Argentina, Leonardo Quinteros, sugeriu que fizéssemos vários shows por lá. Aceitamos e fizemos um anúncio no Facebook sobre a turnê planejada para a América do Sul. Alguns promotores responderam ao post – incluindo Rodrigo Rossi Gioia, da produção do Odin’s Krieger Fest. Então nos conhecemos e confirmamos nossa participação em 3 shows no Brasil (23/11/2018 – Porto Alegre, 24/11/2018 – Curitiba e 25/11/2018 – São Paulo) como parte doOdin’s Krieger Fest 2018.
Nós também planejamos shows em Bogotá (Colômbia) em 17/11/2018 e Buenos Aires em 22/11/2018 como parte desta pequena turnê.

10) Quais são as expectativas para sua primeira vez no Brasil?

Esperamos boas vindas, pois temos muitos fãs no Facebook, e esperamos que todos tenham a chance de encontrar algo especial em nossa música.


1. To begin with, what can you guys tell us about the band’s history?

The band was formed in 2005. Throughout its existence there was changed a lot – the title (several times), line-up, music itself, music and life view of the musicians. For the time being we’ve got 4 LPs, 1 EP, several internet-releases, 3 Vinyl releases and lots of concerts being given in Russia and abroad.

2. The band was once called “Raven Blood” and “Vorog”. Why did you change it to Grai? What’s this name meaning for you?

Yes, these two names were contrived by the guys when they had their first concerts and they needed some title urgently. Then after some considerations there was found a new title “Grai”, which means “a bird cry” and sounds more outstanding and nameable, to our mind. That word has the atmosphere of freedom, soar and mourning at the same time.

3. As you came from a small city, what were the difficulties you faced as a band of a so segmented style?

There were (and there are still) lots of problems which we had to face. First of all – lack of good musicians. That’s why some people have to play in several bands simultaneously. The second (and the general) problem is the distance between the cities in Russia. The territory is so big and the distances are so enormous, that it’s hard and almost impossible to give some concerts being a not very famous band.

4. What are the influences and inspirations for you?

As a matter of fact, everything in our life can influence and inspire us. That can be a book (or story) being read, a film being watched or some personal life experience. So everything that surrounds us and that touches upon our lives.

5. Your last albums was released in two versions: russian and english. Why did you decide to release this album in english? Do you have any plans to release your older albuns in english?

That’s not actually right. The songs are released only in Russian (as the previous releases). But as the releasing label is non-Russian-speaking and the album was released abroad, the booklet contains the information both in Russian and in English (as we did it before). Speaking about any plans to write songs and sing in English – definitely no.

6. Nowadays folk metal and its variants have been attracting more and more fans. Russia, in particular, is the country that have exported a very large number of this genre bands. Facing that, how do you see the interest in Russian folk culture through folk bands?

We guess, the interest in Russian folk culture is escalating – thanks to the sphere of music specifically. And that’s a great tendency. Though it’s always important to separate music which has real roots and concept from buffoonery.

7. By the way, how do you see this “boom” of bands and events focused on folk themes and mainly with medieval aspect?

We see that this movement kicks into gear. There’re lots of various festivals and events – both musical and re-enacting. And that’s excellent – digging into history, roots and atmosphere is always awesome, and it can have only positive effect.

8. As you guys provided all your albums in streaming platforms, do you think the popularization of streaming platforms contributed to this genre bands and events searching?

Nowadays is the digital epoch, nobody buys CDs and magazines. That’s why various digital platforms can definitely be treated as one of the best ways to promote your music and to show it to the world.

9. How did the contact between you and the production of Odin’s Krieger happen?

At the first of the year, the concerts arranger from Argentina Leonardo Quinteros suggested us to make several concerts in his country. We accepted his offer and made an announcement on FB concerning the planned trip to South America. Some concerts arrangers responded to that post – including Rodrigo Rossi Gioia from the production of Odin’s Krieger. So we got acquainted and confirmed our participation in 3 concerts in Brazil (23.11.2018 – Porto Alegre, 24.11.2018 – Curitiba, 25.11.2018 – São Paulo) as part of Odin’s Krieger fest 2018.
We’ve also planned concerts in Bogota (Columbia) on 17.11.2018 and Buenos Aires on 22.11.2018 amid this small tour.

10. What are the expectations for your first time in Brazil?

We expect a hearty welcome, for we have lots of listeners on FB, and we hope everyone will have a chance to find something personally special in our music.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *